Advertisement

Casa da Gente: Governo do Estado inicia construção de 136 apartamentos na Zona Oeste e na Baixada

 

Além das 96 unidades habitacionais que serão construídas em Paciência, na Zona Oeste da capital fluminense, foram iniciadas ainda as obras de 40 apartamentos de Parada Modelo, em Guapimirim

 

Para os moradores de Paciência, na Zona Oeste da capital fluminense, e de Parada Modelo, em Guapimirim, na Região Metropolitana, a tarde desta sexta-feira (01/07) vai ficar marcada na memória. O secretário de Infraestrutura e Obras (Seinfra), Rogério Brandi, que representou o governador Cláudio Castro, assinou as ordens de início para a construção de 136 apartamentos, por meio do Casa da Gente. O programa, criado para atender a famílias que se encontram em área de vulnerabilidade social, é o maior da história do estado e vai investir R$21,8 milhões apenas nestas intervenções.



Ao lado de Diogo Dantas, da Companhia Estadual de Habitação (Cehab), e do presidente da Comissão de Obras da Assembleia Legislativa, deputado Max Lemos, o secretário Rogério Brandi deu início à construção de 96 apartamentos do conjunto Urucânia II, em Paciência, e a 40 novas moradias em Parada Modelo. Para a população que esteve presente ao evento, a cerimônia marcava a retomada de um sonho.

 

De acordo com Brandi, esse é o símbolo do novo Rio de Janeiro, que resgata dívidas antigas com as regiões mais vulneráveis do estado. Além de lembrar que isso só foi possível pelo trabalho de reequilíbrio financeiro do Estado, conquistado num trabalho exemplar do governador Cláudio Castro em parceria com a Assembleia Legislativa, ele comemorou ainda a inclusão do Rio de Janeiro no Plano de Recuperação Fiscal, que permitirá muito mais investimentos.

 

‘Temos visto o estado do Rio de Janeiro se transformar em um grande canteiro de obras, graças a essa nova capacidade de investimento. E a determinação do governador Cláudio Castro é de trabalhar para melhorar a qualidade de vida do fluminense, seja na urbanização de áreas vulneráveis, com serviços básicos como saneamento e pavimentação ou na construção e reforma de unidades habitacionais e de equipamentos sociais’, afirmou Brandi.

 

No caso de Paciência, Brandi lembrou que a Cehab retomou o processo em 2019, fazendo topografia e sondagens e constatando que parte do terreno não seria adequada à construção, mas ideal para a implantação de um parque público. Já o condomínio, com investimento de R$14,1 milhões, terá seis edifícios de quatro pavimentos e 16 apartamentos cada, com dois quartos, sala, cozinha e banheiro, acompanhando a topografia do terreno.

 

‘Essa é uma obra que vai criar uma interação entre os prédios e o meio ambiente, possibilitando um estilo de vida mais saudável para os moradores. Lembro que quando o projeto foi apresentado ao então secretário e atual presidente da Comissão de Obras da Alerj, deputado Max Lemos, ele pediu celeridade à obra e que as intervenções atendessem aos anseios das famílias que esperam há mais de 10 anos. Dando continuidade a esse trabalho, vamos fazer também as redes de água e esgoto, drenagem e pavimentação, para que as pessoas tenham orgulho do lugar onde moram’, frisou Brandi.  

 

 

Casa da Gente assegura direito à moradia digna

 

 

 

Criado em setembro de 2021, o “Casa da Gente” vem se consolidando como o maior programa habitacional da história do Rio. Com investimento de R$6,5 bilhões, a meta do Programa é contratar 50 mil unidades habitacionais nos próximos cinco anos.

 

  

Além disso, condomínios com mais de uma década de construção estão sendo recuperados e o cronograma prevê a reforma de 60 conjuntos, a partir de um investimento de R$700 milhões. Existe ainda o suporte do projeto “Na Régua”, que propõe assessoria técnica com o intuito de levar melhorias habitacionais a milhares de famílias que moram em áreas vulneráveis e já atua em 17 territórios em todo o estado.



‘Esse é um programa que tive o prazer de assinar com o governador, quando ainda era secretário, para tentar diminuir não apenas o déficit habitacional, mas resgatar a autoestima dos moradores de condomínios entregues há muitos anos que nunca passaram por qualquer tipo de reforma, assim como dar a famílias que se encontram em extrema vulnerabilidade, em 17 territórios, a possibilidade de melhoria habitacional, com foco na saúde e qualidade de vida’, concluiu Lemos.